USANDO O LADO NEGATIVO DA FORÇA

Noel Gallagher fala sobre possibilidade de reunião do Oasis: “Sinceramente, espero que não”
8 de agosto de 2019
Pertences que não nos pertencem…
8 de agosto de 2019

USANDO O LADO NEGATIVO DA FORÇA

O titulo do artigo com certeza lhe chamou a atenção nesses dias quando o comportamento politicamente correto vem se alastrando indiscriminadamente calando assim muito da opinião inteligente que poderíamos ter em nossa vida social e profissional.
Todos acreditam que não estão à altura de suas emoções e que somente devem cultivar as boas. Mas eu lhe pergunto: O que seria das boas se não existissem as más emoções?
O ser humano tende a se render à simplicidade da dualidade: yin e yang; claro e escuro; bom e mau; certo e errado; verdade e mentira; direita e esquerda; céu e inferno; amor e ódio. Entre o preto e o branco existem diversos tons de cinza e é neles que a vida acontece.
A sociedade impõe comportamentos utópicos que impedem o desenvolvimento pessoal já que estigmatiza muito as emoções.
Não existe emoção boa ou ruim. O que existe é como você reage diante de cada uma delas e como vai utilizá-las para atingir os seus objetivos
Das quatro emoções básicas alegria, medo, raiva e tristeza, apenas uma é considerada positiva. Isso significa que usamos mais o lado negativo da força do que imaginamos.
Temos que aprender a importância das emoções negativas, pois a falsa ideia de que devemos estar sempre felizes está nos fazendo muito mal. A eterna busca da felicidade está nos levando justamente para o destino contrário, à infelicidade.
A disseminação desenfreada da cultura da positividade e otimismo está enfraquecendo emocionalmente as pessoas que acreditam que sentimentos “ruins” não são saudáveis. Ao contrário do que imaginamos, esses sentimentos são essenciais para o amadurecimento e o aproveitamento total da experiência de crescimento humano.
Diversos estudos comprovam que ao tentar fugir do sofrimento, acabamos sendo menos produtivos e eficazes aumentando ainda mais nossa fragilidade emocional e resultados alcançados.
Enfraquecemos psicologicamente quando, em busca desenfreada pela felicidade, evitamos o desconforto. Temos que abraçar o incômodo das emoções negativas, enxergando-as como um aspecto natural e até útil para nossa vida. Ou seja,aprendendo a usar o lado negativo da força.
Algumas pesquisas descobriram que o sentimento de culpa funciona como um freio moral que auxilia a moldar o caráter nos tornando assim indivíduos mais conscientes. Por exemplo: Pessoas que sentem culpa têm menos probabilidade de praticar atos ilícitos como roubar, consumir drogas, infringir as leis de trânsito e etc.
Ralph Waldo Emerson dizia que “Uma boa raiva produz um excelente discurso”.
As pessoas são naturalmente agressivas e isso não significa que elas são necessariamente más.
Temos que aprender a lidar com a raiva, pois ela gera a energia necessária para nos fazer sair da zona de conforto, mostrar como somos capazes de agir e assim atuar com eficiência na busca de boas soluções. A raiva pode então ser uma aliada que dará um empurrão para continuar a seguir em frente.
Ter medo ajuda a fortalecer o seu desempenho.
Ninguém gosta de sentir medo, mas em doses moderadas ele nos ajuda a desenvolver os talentos e habilidades dos quais temos dúvidas se possuímos. Funciona mais ou menos assim: O medo aparece quando não nos sentimos seguros quanto a alguma atividade ou acontecimento nos obrigando a nos preparar melhor para enfrentar determinada situação assim fomentando a reflexão, procurando a ajuda de outras pessoas, acelerando o desenvolvimento pessoal e assim nos preparando para aceitar as mudanças que estão por vir.
A tristeza desenvolve o autoconhecimento.
Tristeza é a prova da ignorância sobre si mesmo. Quando nos conhecemos muito bem, conseguimos gerenciar nosso equilíbrio emocional e mental não permitindo que sejamos reféns da tristeza, mas usando-a como bússola para descoberta do que realmente está nos incomodando e assim podermos elaborar a causa da tristeza. A tristeza é como uma febre, apenas o sintoma, mas não a causa da enfermidade.
Então aprendamos a usar o termômetro da tristeza para diagnosticar o que realmente está causando a dor e assim acharmos o remédio (atitude) necessário para o restabelecimento.
Então, a tristeza é uma ótima oportunidade de descobrir algo novo sobre nós mesmos proporcionando o nosso desenvolvimento emocional.
Nenhum dos sentimentos acima é agradável, mas todos eles proporcionam a oportunidade de crescimento pessoal. Uma pessoa alegre não deseja mudar nada ao seu redor ou em si mesma, mas aquela triste, com medo ou com raiva fará de tudo para mudar esses sentimentos e, se souber usar a própria força, com certeza evoluirá.
Abracemos nossa emoções negativas e aprendamos a usar o lado negativo da força.

Roberto Recinella, escritor
rrecinella@rrecinella.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.