Supercomputador da IBM será usado para criar outros computadores

CIDADÃ HONORÁRIA DE CAMPO MOURÃO
12 de dezembro de 2019
Série do Spotify será produzida pela Netflix
12 de dezembro de 2019

Supercomputador da IBM será usado para criar outros computadores

O AiMOS vai ser usado para programar novos computadores com suporte a sistemas de IA cada vez mais sofisticados

O Instituto Politécnico Rensselaer, de Nova York, revelou que trabalha em uma tecnologia de ponta para acelerar a pesquisa e o desenvolvimento no campo da inteligência artificial (IA).

Para isso, o instituto usa o AiMOS, um supercomputador de oito petaflops da IBM – um dispositivo capaz de executar oito quadrilhões de cálculos por segundo. É aproximadamente o mesmo que se todas as pessoas do planeta fizessem um milhão de cálculos em suas cabeças no mesmo segundo.

IBM informou que o AiMOS é o supercomputador mais poderoso atualmente instalado em uma faculdade particular. Ele está em funcionamento desde outubro e foi anunciado que será usado para permitir avanços no desenvolvimento de hardware que suportem novos sistemas de inteligência artificial.

O supercomputador será usado para construir novos computadores com melhor desempenho para dar suporte a tecnologias de IA cada vez mais sofisticadas. Além de lidar com desafios de programação cada vez mais complexos, e que exigiriam muito de uma máquina comum. “Nosso objetivo é tornar os sistemas de IA mil vezes mais eficientes na próxima década”, disse John Kelly, vice-presidente executivo da IBM.

Em novembro passado, o supercomputador estreou no Top 500, uma lista semestral que classifica os sistemas mais poderosos do mundo. O AiMOS conseguiu a 24ª posição. A IBM declarou que seu projeto é uma mistura de sistemas de dois dos dispositivos mais poderosos do mundo, Summit e Sierra, que também são construídos por ela e usados pelo Departamento de Energia dos EUA.

O Centro de Hardware da IBM foi responsável pela construção e entrega do supercomputador ao Instituto Rensselaer. O objetivo da divisão de hardware concentra-se em encontrar novos dispositivos e arquiteturas para melhorar a eficiência do processamento de algoritmos, e em criar máquinas que possam lidar com redes neurais profundas de maneira econômica.

Embora não tenha sido divulgado, a implantação do supercomputador foi parte de um investimento de US$ 30 bilhões vindos da principal agência de desenvolvimento econômico de Nova York, a Empire State Development Corporation.

Via: ZDNet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.