sábado , 22 setembro 2018
Últimas

Os desafios da Alimentação Infantil

Olá! Sou a Manu, mãe do Pedro de 1 ano e 7 meses. Vou relatar aqui um pouco de minha experiência de mãe de primeira viagem com os desafios da alimentação infantil e da educação do paladar, que é ensinar nossos filhos a gostarem de alimentos saudáveis. Como muitas vezes imaginamos que o paladar infantil é inato, ensinar uma criança a comer pode parecer esquisito. Quantas vezes já ouvimos mães dizerem: “ Meu filho é muito enjoado para comer!”


Comer é algo que aprendemos e não apenas o que fazemos. Esse aprendizado é diário, pode começar por nós, adultos, em qualquer momento da vida, mas se temos a oportunidade de ensinar aos nossos filhos ainda pequenos, devemos aproveitar.
Fase 1 – O começo de tudo: Tenho um bebê e agora?
Que o leite materno é a melhor e mais saudável forma de alimentar seu bebê nos primeiros 6 meses não há dúvida nenhuma, felizmente posso dizer que faço parte desse pequeno grupo de mães que conseguiram amamentar de forma exclusiva e em livre demanda seu bebê até o início da introdução alimentar. Digo pequeno grupo, pois nem todas as mulheres têm essa oportunidade, seja por precisar retornar ao trabalho logo após a licença maternidade, seja pela dificuldade em produzir leite, seja por sentir dor e desconforto, entre outros diversos e pessoais motivos.
Pois bem, até aí tudo foi maravilhoso (tirando o início que o peito dói, e às vezes machuca – eu tinha pomadas de Lanolina espalhada em cada cômodo da casa ,rsrsrsr, Pedro chorava , eu amamentava, não tinha regras de tempo ou horário, decidi fazer livre demanda , li quando estava grávida que isso ajuda o bebê a entender sobre saciedade e evita depois aquela comilança desenfreada porque está com muita fome, colaborando posteriormente na primeira infância e após para o comer por sentir fome e não por ansiedade. Enfim, resolvi testar essa forma, afinal quando temos apenas um filho tudo é mais fácil, não temos outras crianças para nos preocupar no momento (confesso que não sei se vou conseguir realizar isso com o segundo filho, quando Deus me permitir tê-lo). Não sei se foi devido a isso, mas meu filho não é uma criança gulosa hoje.
Fase 2 – Estamos quase chegando aos 6 meses , o que fazer ?
Quando Pedro estava com 5 meses e 2 semanas mais ou menos, comecei a fazer com que ele conhecesse sabores diferentes, pois até então ele só conhecia o leite da mamãe. Fui dando diversos tipos de frutas inteiras ou em pedaços grandes na mão dele e deixava que ele próprio as explorasse, não dava papinhas ainda, era apenas para ele sentir o sabor, a textura, colocar na boca, então eu dava banana, mamão, pera, manga … Lembrando que é preciso ficar sempre ao lado da criança para que não coma pedaços grandes e engasgue, lembre que isso é apenas um momento de descoberta do novo alimento, algo lúdico.
Fase 3 – Chegamos aos 6 meses : Agora sim, chegou a hora da verdade, acredito que um dos momentos mais esperados pelas mamães, a introdução alimentar. Eu não via a hora de começar, já tinha diversas receitas de papinhas anotadas, pratinhos fofos e coloridos, colher de silicone… Lógico que esse conto de fadas não dura muito quando você percebe que seu filho não abrirá a boca como num toque de mágica e comerá tudo que lhe for oferecido. É preciso muita paciência, afinal seu filhote não sabe mastigar, não entende que aquilo com gosto e forma diferentes é para engolir, tudo é novo para ele.
Então, com muita paciência, afinal aquele ser pequenino é o maior presente que Deus poderia nos dar, quanta responsabilidade a nossa, não é? Fui aos pouquinhos iniciando a alimentação do Pedro, não comecei com papinhas apenas de frutas não, eu já dava comida a ele, apenas com a consistência pastosa, não fiquei muito presa a regras de primeiro frutinhas, depois legumes, ou apenas alimentos mais adocicados, inclusive, por orientação da própria pediatra, juntando com minha área profissional (Nutrição) e com orientações e sugestões de amigas nutricionistas infantis, montei minha própria metodologia e funcionou, mamães! Acredito que somente nós que conhecemos nossos bebês, nossa rotina de vida, podemos decidir o melhor jeito, aquele que cabe dentro de nossa realidade, pois dessa forma tudo se torna mais fácil, divertido e prazeroso. Eu utilizava o Mixer e batia o arroz, o feijão, os legumes, as carnes… procurava manter sempre algo equilibrado (legumes, carboidratos, proteínas).
Aos nove meses, iniciei os alimentos apenas amassados com o garfo, nada de Mixer (nunca usei liquidificador). Nesse período eu já montava o pratinho com tudo dividido, Pedro tinha seu cardápio do dia todo montado. No final, vou passar para vocês algumas opções do que eu seguia.
Você pode estar lendo e pensando, “Poxa, quanto trabalho! – Sim, dá trabalho, mas isso será compensador futuramente quando seu filho estiver comendo de tudo facilmente, afinal, para se ter um lindo jardim é preciso antes muito trabalho , assim é com nossa vida, com nossos filhos. O trabalho de hoje, poderá poupá-la de grandes problemas depois.
Fase 4 – Chegamos aos doze meses : Dizem que o aniversário de um filho é também o aniversário de uma mãe. Realmente , quando nos tornamos mãe, mudamos totalmente nosso modo de pensar, de viver, passamos a ter preocupações que antes sequer pensávamos, ou que pareciam bobas, como comer direito, trabalhar mais, cuidar da saúde com medo de ficar doente.
Voltando à alimentação: Nesta fase, Pedro já come de tudo, em consistência normal, não amasso mais nada, apenas pico tudo pequenininho para que não engasgue, segue seu cardápio diário de café da manhã, colação, almoço, lanche da tarde e janta, meu filho come de tudo, ama legumes e frutas, gosta de comida, só tenho que agradecer a Deus pela saúde de meu filhote e por me dar todos os dias disposição e força, pois sabemos que tem dias que nossa vontade é pular da varanda, né? (acho que essas telas de proteção são na verdade para nós, mamães, não nos jogarmos, kkkkk).
Fase 5- Momento Atual: um ano e sete meses – Novos desafios
Atualmente, como mencionei acima, Pedro come de tudo e segue uma rotina alimentar certinha na medida do possível, digo isso, pois há dias em que a criança está chatinha, resfriada, por isso come menos. Não fico paranóica com isso não, relaxo e vou seguindo de acordo com a possibilidade do momento. Atualmente Pedro não quer mais tomar leite, de jeito nenhum, ele sente cheiro e corre de mim (sim, nesse nível), então como ele precisa de cálcio, estou substituindo por outros alimentos, queijo minas com pouco sal, iogurte (dou um natural), misturo com mel para adoçar. Suco de laranja e alimentos verde escuro (que possuem mais cálcio).
Água, muita água! Ofereça sempre água a seu filho. Uma das maneiras que consegui fazer para que ele se tornasse fã de água (ele ama água) foi oferecer sucos apenas após um ano, hoje ele prefere água a suco.
E vocês, mamães? Quais foram seus desafios na Alimentação do seu filhote? Sobre qual assunto você gostaria de saber mais? Envie sua sugestão para mim!
Lembretes importantes:
1- Antes de um ano Pedro nunca consumiu alimentos como biscoitos doces, chás, sucos, nozes, castanhas, frutos do mar entre outros alimentos considerados alergênicos.
2- Pedro largou o peito sozinho aos oito meses, então passei a dar a ele o NAN dois Supreme (a pediatra indicou alguns, mas esse foi o que ele se adaptou bem).
3- Não adoço sucos, não uso açúcar em nada dele. Biscoitos procuro fazer em casa ou então biscoitos simples (Nada de biscoitos recheados).
4- Evito alimentos salgados, ele come a mesma comida que a gente, nada em excesso de sal.
5- Nada de refrigerantes mamães , pleaseeeeee! É puro açúcar. Em algum momento da vida ele vai tomar, sejamos realistas, mas se treinarmos o paladar deles para alimentos mais saudáveis, essas serão as escolhas futuras.
Cardápio do Pedro aos 9 meses. Pedro ainda continua acordando bem cedo.
Desjejum (6h): Nan2supreme – 7 colheres medidas de pó + água filtrada até completar 200mL.
Colação (8h): fruta – 1 porção picada.
Almoço (11:30h): Tubérculo picado em cubos pequenos – 1 colher de sopa ou macarrão cabelinho de anjo – 2 colheres de sopa + feijão com caroço – 1 colher de sopa + legumes crus ralados ou cozidos em cubos pequenos – 1 colher de sopa + verduras cozidas e picadas – 1colher de sopa + carne ou frango ou peixe desfiados – 1 colher de sopa ou ovo cozido – 1 unidade + azeite extra virgem – 3 colheres de chá.
Lanche (15h): Aveia ou amaranto em flocos – 2 colheres de chá + iogurte natural integral sem açúcar – 1/2 copo (100g) OU queijo minas fresco – 2 fatias pequenas finas (20g) em pedaços pequenos + fruta – 1/2 porção picada.
Jantar (18h): Tubérculo picado em cubos pequenos – 1 colher de sopa ou macarrão cabelinho de anjo – 2 colheres de sopa + feijão com caroço – 1 colher de sopa + legumes crus ralados ou cozidos em cubos pequenos – 1 colher de sopa + verduras cozidas e picadas – 1colher de sopa + carne ou frango ou peixe desfiados – 1 colher de sopa ou ovo cozido – 1 unidade + azeite extra virgem – 2 colheres de chá.
Oferta de água: aumentar para 500mL/dia.
Água de coco pode ser oferecida 1x ao dia
Sugestões de marcas de iogurte natural (lista de ingredientes com leite e fermento lácteo apenas): atilatte, yourgus, da matina.
Sugestões de marca de macarrão (lista de ingredientes sem conservantes ou corantes artificiais): de cecco (alfabeto), barilla, renata.

**Emmanuelli Lane David
Fundadora do Instituto Bariátrica Brasil
Idealizadora do programa de emagrecimento
“Corpo Novo, Vida Nova.”
Coaching de Emagrecimento pós-Bariátrica
E-mail: manulanenutri@gmail.com
Instagram: @bariatricabrasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*