O que a vida fez com você?

Com frequência, costumo dizer que, a nossa vida não está em nossas mãos. Sei que dizer isso hoje, em nossa sociedade que prega a meritocracia, o sucesso, a perfeição é nadar contra a maré. (Pouco me importo).


Mas, veja bem, essa ideia pode ser usada por todos como bem entender. Alguns dirão, “então não sou responsável por nada” (talvez as histéricas), outros acharão isso um absurdo e dirão “cada um é responsável pela sua vida sim!” (talvez os obsessivos).
Pois bem, o que quero dizer com isso?
A vida nos impõe coisas que não escolhemos como nossos pais, nosso corpo, nosso desejo, nossos medos, o amor, a morte, a doença…
Essa é uma condição sine qua non do viver. Ninguém nunca nos perguntou “qual a vida que você deseja escolher?”,simplesmente lhe deram algumas coisas e disseram:”Viva com isso.”
Em alguns momentos da vida, todos nós nos Perguntamos. Por que é que não nasci rico? bonito? saudável? Forte?”. Ou também Porque isso só acontece comigo? O que fiz para isso acontecer?. Enfim, aqui você já percebeu que a vida não está em nossas mãos,pelo contrário, nós estamos nas mãos da vida.
Porém, entretanto, todavia, a sabedoria popular, no auge da sua magnitude, nos diz “Se a vida lhe deu um limão, faça uma limonada”. A sabedoria popular sempre tem razão! Mas o que ela quer nos dizer?
É provável que ela queira nos dizer que é possível fazer algo mesmo estando nas mãos da vida. Como Freud nos diz que o Ego é passivo no primeiro momento e ativo no segundo momento, ou seja, somos ativos com relação à resposta dada, a forma com que reagimos ao que nos acontece.
Essa é uma questão existencial, e como todas as questões existenciais, é essencial para uma vida plena.
Disse o filósofo Jean Paul Sartre: “O que importa não é o que fizeram com você, mas o que você faz com o que fizeram de você”.
O que você está fazendo com o que fizeram de você?

Marco Aurélio Dias
Psicólogo Clínico – CRP 08/21538
*Especialista em Psicoterapia Psicanalítica
*Especializando da Clínica Freud -Lacaniana

Check Also

Dona Madalena – Escrever para não esquecer… E poderia?

A paciente idosa, uns 75 anos, lúcida. A pele manchada por pigmentação hipercrônica, sinal característico …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *