Jeff Bezos vê patrimônio chegar a US$ 150 bilhões durante a pandemia

Nova bateria para carros elétricos tem vida útil de 2 milhões de km
8 de junho de 2020
Ouça “Você Sempre Em Mim”, a nova música de Tiago Iorc!
8 de junho de 2020

Jeff Bezos vê patrimônio chegar a US$ 150 bilhões durante a pandemia

Fundador e CEO da Amazon ganhou US$ 36 bilhões só em 2020 com crescimento do comércio eletrônico

Para a maioria da população global, o ano de 2020 tem sido um pesadelo causado pela pandemia de Covid-19Jeff Bezos, no entanto, não é a maioria da população global. O fundador da Amazon viu sua fortuna disparar nestes seis meses, mesmo com a crise econômica mundial que ocorre graças ao coronavírus.

Como percebeu o site Business Insider, Bezos já alcançou o inédito patamar de US$ 150 bilhões em patrimônio. Desde o início de 2020, sua fortuna já aumentou em cerca de US$ 35 bilhões; nenhum outro ricaço viu seu patrimônio aumentar tanto. Assim, Bezos, que já era a pessoa mais rica do planeta, viu sua fortuna crescer mais do que todo mundo.

A razão também não é difícil de entender. Com grande parte do mundo presa em suas casas, o comércio eletrônico passou a ser parte da vida das pessoas que evitavam ou ainda não estavam familiares com o sistema. Como maior companhia de e-commerce do planeta, a Amazon viu o faturamento disparar no período. Outras divisões, como a da AWS, também se mostraram mais rentáveis durante a pandemia.

O resultado disso é a valorização das ações da Amazon, que também formam a maior parte do patrimônio de Jeff Bezos. Ele conta com 55 milhões de ações da companhia.

O contraste da fortuna de Bezos com a situação dos galpões da Amazon é interessante. Enquanto o executivo amplia seu patrimônio, seus funcionários protestam por melhores condições de trabalho e pedem que a empresa mantenha o foco em produtos essenciais durante a crise sanitária. Já há oito casos de trabalhadores que morreram por suspeita de Covid-19.

A empresa chegou a anunciar um aumento salarial temporário para os trabalhadores, implementado em março, ainda no início da crise, aumentando em US$ 2 o salário mínimo por hora de US$ 15. No entanto, o valor extra deixou de ser pago a partir deste mês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.