De um Peixe fora D’agua para a Baleia Azul

Sindicam completa 30 anos
30 de maio de 2017
Compute Card da Intel é um PC do tamanho de um cartão de crédito
30 de maio de 2017

De um Peixe fora D’agua para a Baleia Azul

Até pouco tempo atrás era comum ouvir as pessoas dizerem, “me sinto um peixe fora d’agua”, e assim o diziam para expressar um sentimento de desadequação. Era essa fala também frequente aos adolescentes, pois nada mais exato do que se sentir assim em um momento da vida quando as transformações físicas, psíquicas e sociais de um sujeito são tão intensas.
Porém se sentir um peixe fora d’agua, é ainda assim saber do que precisa, ou seja, saber que precisa da água. Água essa representada pelos amigos, grupo social, família, e tudo mais que possa resgatar o senso de pertencimento, e que nos faz sentir que existimos e saber quem somos. Isso nos dá vida.


Mas, e quando falamos de uma Baleia Azul?
Uma baleia continua sendo um “peixe” (mamífero), um adolescente continua sendo um adolescente, entretanto as necessidades e as condições de um peixe qualquer e de uma Baleia são diferentes. Uma baleia precisa de muita água, de um mar, de um mar de amigos, de um mar de gente. E mesmo vivendo imersa nesse mar, ela (e) continua vivendo sozinha. Não sabendo quem é, não sabendo que existe. E para quem não sabe quem é, e não sabe que existe, vida e morte são indiferentes. Só teme morrer aquele que se sente vivo.
É isso que observamos como a crise da adolescência atualmente, jovens que em meio de muitos amigos, muitas tarefas, muitos relacionamentos, muito tudo, em meio a um mar de coisas e de gente, sentem-se sozinhos e inexistentes, o que é combustível para o suicídio!
Um ator muito famoso de Hollywood, chamado Robin Williams, disse: “a pior coisa é terminar a vida cercado de pessoas que te fazem sentir sozinho”. E qual foi o fim trágico desse ator? Suicidou-se.
Assim sendo o desafio de uma sociedade multiconectada por informações é, agora , conectar-se pelos corações. Antes, um cardume de sardinhas do que uma Baleia Azul Solitária. A natureza de uma Baleia Azul é estar só, a nossa não!

Marco Aurélio Dias
Psicólogo Clínico – CRP 08/21538
Especialista em Psicoterapia Psicanalítica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.