A SÍNDROME DO VITIMISMO

“América do Sul seria prioridade”, diz Selena Gomez sobre possibilidade de turnê
30 de outubro de 2019
Unimed Campo Mourão 30 Anos de Fundação
1 de novembro de 2019

A SÍNDROME DO VITIMISMO

Cida Freitas

Li, certa vez, que o povo brasileiro sofre da síndrome do vitimismo, pois sempre tem um motivo para reclamar. Se está frio, reclama; se está calor, reclama; se tem emprego, reclama da segunda-feira, pois não vê a hora de chegar a sexta-feira, mas se está desempregado, reclama por um emprego…
Até na forma de se cumprimentar sempre há um palavra de vitimismo: Bom dia! Tudo bem?
Tudo bem nada (e aí vêm as reclamações: gripe, dor de cabeça, falta de dinheiro, crise econômica, e vai por aí afora). Na verdade, quando se pergunta “Tudo bem?”- é só uma forma de cumprimento, não é uma consulta.
James Allen e Ricardo S. Marques escreveram o livro: Você é aquilo que você pensa. Além deles, há outros títulos parecidos e a mensagem é a mesma: Pensamentos positivos atraem situações positivas; pensamentos negativos atraem situações negativas.
Pessoas que possuem “alto astral” são sempre bem vindas nos diversos ambientes, quer na família, quer no ambiente de trabalho, nos grupos de amigos… Por quê? – Porque todos gostam do que é positivo, alegre, de ideias que somam, que plantam esperança, fé… É diferente de quem fala com desânimo, que critica tudo sem ter uma sugestão para melhorar, que fazem drama, “tempestade em copo d’água”, como diziam os antigos.
Existe um livro que sempre vou citar porque ele me ajudou muito em uma época que fiquei meio sem saber o que fazer. Eu me julgava frágil diante da situação, não sabia a quem recorrer e comecei a pensar negativamente toda a minha história. Meus planos pareciam não ter sentido, os pensamentos me atropelavam e eu me perdia neles.
Um médico amigo meu me indicou o livro O Poder do Subconsciente, de Joseph Murphy.
Li, reli, li outra vez até dar ordens ao meu subconsciente. Afastei-me de tudo o que me lembrava tristeza, decepção e fracasso. Agarrei-me nos pensamentos positivos e comecei a sonhar com um futuro diferente onde a alegria, a coragem de ousar e a certeza de estar no caminho certo eram os propulsores de minhas ações.
Esse livro fez muito sucesso nos anos 70/80 e ajudou muitas pessoas a renovarem seu paradigma.
Atualmente, com a tecnologia, as redes sociais permitem que todos falem de tudo. Seria bom que aproveitássemos essa ferramenta para promover a ‘corrente do bem” , sem assuntos negativos. Certamente afastaríamos a síndrome do vitimismo que tanto mal faz ao indivíduo e à sociedade.

Prof. Cida Freitas
profcidafreitas@uol.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.